Reprodução/BBB/TV Globo

Após não resistir ao Paredão, Aline segue para a coletiva de imprensa. A gaúcha foi eliminada com 80% dos votos e deixa o BBB14 após se envolver em polêmicas com Marcelo e Angela.

Ao saber que foi eliminada com um percentual maior ao de Letícia, Aline demonstrou surpresa: “É rejeição isso, né? Eu vou mudar de planeta porque de país não vai adiantar”. Sobre sua personalidade exagerada, Aline brinca: “Sou praticamente uma travesti. Eu sou expansiva, teatral, mas não é fake. Sou chata assim mesmo. Talvez esse excesso de verdade cause estranhamento. Todo mundo é muito político”.

Apesar de ter dado um beijo em Clara e Vanessa, Aline disse que é heterossexual, mas que não gosto de se definir. “O rótulo me incomoda. Eu posso conhecer uma mulher e achá-la linda e maravilhosa e casar”. Questionada se já teria tido experiência com mulheres antes do beijo em #ClaNessa, Aline faz mistério. “Não vou dizer nada, não quero levantar bandeira. Beijei as meninas porque me deu vontade e tudo é possível”, diz. A atriz conta que suas amizades geralmente são com homens e em sua maioria gays. “Eu não gosto de mulher no sentido de amizade. Tenho pouquíssimas amigas mulheres. Não me dou bem e não tenho paciência com mulher. Tanto que eu me dava muito bem com os homens na casa”, explica.

Aline fala sobre a popularidade que sua mãe Ledi teve em poucos dias de confinamento. “Sai a filha e a mãe fica. Não digo que eu fosse ficar, mas pensei que de repente fosse dar uma amenizada por causa da minha mãe, mas não deu certo”, reflete a sister.

Aline conta que durante a briga com Marcelo apenas se defendeu. “Me defendi de uma agressão. Quando vi aquele copo de água e aquela carona do Marcelo”, explica. Mas provoca: “Nunca fiz isso na minha vida e morria de vontade”. Sobre Angela, a sister acredita que a advogada seja a maior jogadora do BBB14 e explica: “A Angela não gosta do Marcelo. Aquilo ali é um jogo pra ganhar e acredito que ela ganhe. Ela é muito boa nas palavras e joga muito bem”. Já sobre Letícia, Aline criticou o jeito da sister. “De vestido curto e com a bíblia na mão? Ela se fazia de santa”, diz.

Sobre a carreira profissional, Aline corrige a repórter e diz que não fazia figuração, mas sim elenco de apoio: “Corrige meu status”, dispara. “Se esse povo está me odiando, alguém vai me dar trabalho, gente?”, questiona-se a atriz, que ainda não sabe se vai aceitar posar nua. E sobre a participação no reality, a sister completa: “É um jogo e eu corria o risco. Podia ser amada, podia ganhar R$1,5 milhão, podia ser rejeitada, podia sair sem ganhar nada”.