Conheça os personagens de Paraíso:

Na fazenda de Eleutério Ferrabraz

Eleutério Ferrabraz (Reginaldo Faria) – "Seu Lotério", como é conhecido na região, é o pai de José Eleutério (Eriberto Leão). Homem bem sucedido, tem boa índole e nunca teve medo do trabalho, nem de desafios. Apesar da pouca instrução, é um grande contador de histórias. Compra na feira um amuleto com um diabo preso numa garrafa e, quando sua vida desmorona no Nordeste com a morte da esposa e de um grande amigo, parte com o filho para o Centro-Oeste, tornando-se um grande pecuarista do Mato Grosso. Tem vida boa, mas poderia ser melhor se tivesse coragem para declarar sua paixão por Zefa (Soraya Ravenle). "É um personagem rico, um contador de causos. É um mentiroso saudável, simpático", conta o ator Reginaldo Faria. "E mesmo com toda a experiência, estreia sempre dá uma ansiedade", admite. O jovem Eleutério que aparece em cenas de flashback é interpretado por seu filho Marcelo Faria, que pela primeira vez em sua carreira interpreta o mesmo personagem do pai.

Nena (Luli Muller) – Mulher de Eleutério (Reginaldo Faria), engravida depois de muito tentar e aposta na felicidade completa do casal com o nascimento do filho. Morre no parto e deixa Eleutério numa tristeza sem fim, tendo que conviver com o boato de que o diabinho na garrafa havia sido o causador de tal infortúnio. "A Nena conhece Eleutério na venda dele, quando vai acender uma vela para Santo Antônio, e os dois se apaixonam à primeira vista. Eles se casam, mas não conseguem ter um filho. Quando ele surge com o diabinho na garrafa, Nena engravida e começam a falar que é obra do diabinho", conta Luli Muller.

José Eleutério Ferrabraz (Eriberto Leão) – Filho de Eleutério (Reginaldo Faria) e de Nena (Luli Muller), coleciona apelidos: Zeca, "filho do diabo" e "peão doutor". Foi para o Rio de Janeiro estudar para fazer a vontade do pai e se formou em Direito e Agronomia. Volta para o interior louco para colocar o pé na estrada. É corajoso e ousado, até o dia em que se apaixona por Maria Rita, a santinha (Nathalia Dill). "O meu personagem é conhecido por ser ‘filho do diabo’ e você não sabe se é ‘causo’ ou verdade. Pode ser até uma verdade escondida dentro do próprio ‘causo’", brinca Eriberto Leão. "É a terceira novela do Benedito (Ruy Barbosa) que faço e me sinto pronto para viver o ‘Zeca’. A trama fala da natureza, da relação do homem com a terra, das crenças e mitos do interior do Brasil que a gente perde ao morar nas capitais e grandes cidades. É um universo fantástico", completa o ator.

Josefa (Soraya Ravenle) – "Zefa" é mãe de Rosinha (Vanessa Giácomo), uma mulher simples, nascida e criada na roça. Ficou viúva cedo, com a filha pequena, quando o marido – braço direito de Eleutério (Reginaldo Faria) – morreu. O fazendeiro as acolheu na família, sem imaginar que acabaria se apaixonando por ela. "Ela e a filha são empregadas inseridas na família. É uma personagem com uma história muito bonita e que guarda uma grande tensão por conta desse amor platônico", explica Soraya Ravenle.

Rosinha (Vanessa Giácomo) – Rosinha é filha de Zefa (Soraya Ravenle) e foi apadrinhada por Eleutério (Reginaldo Faria). Criada na fazenda sem muito trato e vaidade, é dona de um forte temperamento. Se apaixona pelo irmão de criação, Zeca (Eriberto Leão), e ignora o amor de Terêncio (Alexandre Nero). "Estou descobrindo a personagem aos poucos. A Rosinha é muito bacana, mas vive um conflito por ser apaixonada pelo irmão de criação. Ela fala o que pensa, é rica, intensa, muito diferente de tudo que já fiz", diz Vanessa Giácomo.

Mané Corrupio (Duda Ribeiro) – Amigo de lida e jornada de Eleutério na juventude (Marcelo Faria). Marido de Zefa (Soraya Ravenle) e pai de Rosinha (Vanessa Giácomo), morreu em uma emboscada preparada para o amigo fazendeiro. "As cenas que gravei têm muita emoção em jogo. O Mané Corrupio e o Eleutério eram grandes amigos, e foi muito bom contracenar com o Marcelo Faria, que interpretou o personagem ainda jovem. Como ator, este desafio foi muito importante para a minha carreira", comemora Duda Ribeiro.

Antônia (Aisha Jambo) – "Tonha" é filha de um colono da fazenda de Eleutério (Reginaldo Faria), uma moça simples, nascida e criada no interior. Sem nenhum estudo, seu destino é trabalhar na roça. Mas a jovem se diverte mesmo é com a função de "correio do amor" e fica de um lado para o outro passando os recados de Rosinha (Vanessa Giácomo), Zeca (Eriberto Leão) e Maria Rita (Nathalia Dill). "Para entrar no universo da personagem, fiz leituras de Guimarães Rosa e Graciliano Ramos. Fiz também aulas de prosódia com a preparadora de elenco Íris Gomes", conta a atriz Aisha Jambo.

Tobi (Alexandre Rodrigues) – Esperto e arisco, foi criado na fazenda. Eleutério (Reginaldo Faria) tem grande simpatia por ele. Vivo e inteligente, cresce ouvindo o "coroné" contar seus "causos" e acaba aprendendo com o patrão a fantasiar histórias. O jovem se encanta com a comitiva de Zeca (Eriberto Leão) e decide que quer se tornar um peão. "È um personagem muito bom, que mora na fazenda, trabalha com gado e foi criado pelo Eleutério. Ele é também o leva-e-traz das notícias, um intrometido, e esse é o lado engraçado dele, pois sabe de tudo que acontece na cidade e corre para ser o primeiro a contar a todos na fazenda", fala Alexandre Rodrigues.

Tibúrcio (Robert Guimarães) – Empregado da fazenda de Eleutério (Reginaldo Faria), Tibúrcio já foi peão, mas agora é capataz de Eleutério e gerencia a fazenda do patrão. "Apesar de sua aparência bruta – deixei o cabelo e a barba crescerem – e do estigma de capataz malvado, ele é boa gente. Para lidar com cavalos, fiz aula de equitação, porque a única vez que montei em um cavalo foi há 20 anos. É um desafio estar em um universo tão distante do meu. Esse personagem não existia na primeira versão, que depende do rumo que a trama vai tomar. A história da novela é uma aventura que promete ser um grande sucesso", conta Robert Guimarães.

Na fazenda de Antero Godói

Antero Godói (Mauro Mendonça) – Casado com Mariana (Cassia Kiss) e pai de Maria Rita (Nathalia Dill), nasceu e cresceu trabalhando na roça. Seu sonho era simples: queria um pedaço de terra para plantar, uma mulher para amar e filhos para criar. O destino, no entanto, não ouviu suas preces. A esposa se casou contra a vontade e não quer saber dele, só da igreja, de suas rezas e das histórias milagrosas que inventa sobre a filha. "Antero é conformado com o seu destino, se casou com uma beata e só tolera suas beatices por conta de sua filha", define Mauro Mendonça.

Mariana Godói (Cassia Kiss) – Esposa de Antero (Mauro Mendonça) e mãe de Maria Rita (Nathalia Dill), quando jovem sonhava em servir a Deus. No entanto, foi obrigada a se casar e até hoje rejeita o marido. A maternidade não foi um presente para ela, mas uma expiação de seus pecados. Mas o amor por Maria Rita é tanto que a criou em uma redoma e alimentou o mito de uma possível santidade da filha. Sem perceber, cometeu com ela o mesmo erro que seu pai havia cometido com ela anos atrás. "Estou me divertindo com a personagem, porque apesar de ser uma mulher fanática que beira a loucura, e como todo fanatismo pode levar a um estágio de doença, faço com que ela seja divertida. ‘Paraíso’ é uma novela rural que fala da pureza do homem, e a Mariana é uma mulher pura", explica Cassia Kiss.

Maria Rita (Nathalia Dill) – Filha de Antero (Mauro Mendonça) e Mariana (Cassia Kiss), é fruto de uma casamento arranjado, mas foi criada com muito amor pelos pais. Dócil, de temperamento meigo e suave, vive angustiada desde que ingressou na vida religiosa, influenciada pela mãe. Às vésperas de sua ordenação, aceitou que não tinha vocação e voltou para casa. O retorno trouxe ainda mais dúvidas para a jovem criada como santa, que se apaixonou logo pelo "filho do diabo". "Santinha tem uma história peculiar, é muito romântica e vive com uma dúvida interna: deve ser freira ou conhecer o amor e formar uma família? Ela fica abalada apenas ao ouvir o som do berrante tocado pelo Zé Eleutério, por quem se apaixona. Todos nós passamos por essa confusão de ideias. E é maravilhoso entrar em contato com esse universo rural, religioso e cheio de histórias de amor", conta Nathalia Dill. Nas cenas de flashback de sua infância na Bahia, a personagem é interpretada pela atriz mirim Mariana Mamoré.

Candinha (Cris Vianna) – Empregada da família Godói, é uma moça simples e esperta. É aliada de Maria Rita (Nathalia Dill) em seu romance com Zeca (Eriberto Leão) e repassa os recados trazidos por Antônia (Aisha Jambo). Não gosta de ver a vida que Antero (Mauro Mendonça) leva em casa e vê os sentimentos que sente pelo patrão se modificarem com o tempo. "Ela se apaixona pelo patrão e ainda é pombo-correio de Maria Rita e Zé Eleutério. É a primeira vez que faço um personagem rural e estou muito feliz em contracenar com excelentes atores. Estou com muita expectativa", revela Cris Vianna.

Tonhão (Luciano Vianna) – Caboclo da fazenda. "Depois de tanto tempo longe do universo rural, caí novamente nesse mundo puro, em que o mal não é tão mal e a simplicidade reina. E o Tonhão tem uma história bacana, trabalha na fazendo do Antero e é brincalhão e gozador. Amante da sinuca, ele vive nos bares da cidade", adianta o ator Luciano Vianna.

Os peões da comitiva do "filho do diabo"

Terêncio (Alexandre Nero) – Abandonado pela mãe, foi criado pelo pai em comitivas e seguiu sua vida de peão. Bom de montaria, conhece Zeca (Eriberto Leão) em um rodeio e é amizade à primeira vista. Os dois planejam sair em comitiva e o fazem assim que Zeca volta do Rio de Janeiro. Na fazendo do amigo, ele se apaixona logo por sua irmã de criação, Rosinha (Vanessa Giácomo). "Aos 18 anos, me formei em técnico agrícola e estudei, na prática, com os animais. Foram três anos convivendo com essa realidade, mas depois não exerci a profissão. Hoje tento resgatar lembranças e sensações dessa época. O sotaque foi mais fácil, pois meus pais são de Minas Gerais", conta Alexandre Nero.

Zé Camilo (Daniel) – O peão não é filho de ninguém e nasceu em lugar nenhum. Sua história não é e provavelmente não será conhecida, pois ele não é dado a este tipo de conversa. Violeiro da comitiva de Zeca (Eriberto Leão), faz sucesso quando começ a cantar. Não há moça que, ao som de sua viola, não tenha se apaixonado e sido abandonada por ele, que acredita que paixão não dura mais do que uma estação. "Zé Camilo é bem extrovertido e vai aproveitar esse seu lado musical para conquistar as mocinhas. Ele é um cara de comitivas, que tem muitos amigos. As gravações estão ainda no começo, mas já estou curtindo muito", diz Daniel.

Tiago (Rodrigo Sater) – O peão violeiro acompanha a comitiva do "filho do diabo" e encanta as moças com sua viola. "Tiago é dono de um bom coração, é muito amigo, sensível, e, assim como eu, de pouca fala. Ele está sempre antenado com as novidades e vai tocar muita viola para o público durante a novela", conta Rodrigo Sater.

Juvenal (Yassir Chediak) – Peão da comitiva de Zé Eleutério (Eriberto Leão), anima as rodas de viola cantando para os companheiros. "Juvenal une as tarefas de peão e músico e, ao contrário de outros peões mais rudes, tem sensibilidade. Enquanto os outros estão tocando os bois, ele procura uma sombra para tocar sua viola junto com Tiago e Zé Camilo, seus melhores amigos, que estão sempre reunidos em torno de uma fogueira para fazer uma roda de viola. O personagem é muito gente boa e tem a ver com a minha história de vida, pois me apaixonei pela viola ainda novo, quando eu morava em Minas Gerais. Me tornei violeiro e, desde que assisti às novelas do Benedito, meu sonho era participar de uma obra dele. É com grande satisfação que tenho o meu sonho realizado", comemora Yassir Chediak.

A casa do prefeito e a prefeitura

Norberto (Leopoldo Pacheco) – Casado com Aurora (Bia Seidl) e pai de Maria Rosa (Fernanda Paes Leme), é fazendeiro e criador de gado bem sucedido. Poderia cuidar da fazenda e levar uma vida sossegada, porém é um idealista e acredita na democracia, na decência e na honestidade. Seus ideais o levam ao segundo mandato na prefeitura de Paraíso. E ele ficaria mais se pudesse, pois gosta de trabalhar para a comunidade e para o desenvolvimento da região. "O personagem é um político bom caráter. Repetir a parceria com o (diretor) Papinha é muito bom. Tenho uma fazenda perto de uma cidade bem parecida com Paraíso, e é lá que busco inspiração para o papel", conta Leopoldo Pacheco.

Dona Aurora (Bia Seidl) – Casada com Norberto (Leopoldo Pacheco) e mãe de Maria Rosa (Fernanda Paes Leme), não gosta nada de política. Bem humorada e dedicada à família, faz de tudo para afastar o marido do cargo público e ainda para arrumar um bom partido para a filha. "Há 26 anos, vivi a personagem Edith, na primeira versão de’Paraíso’. Com o Leopoldo Pacheco já havia feito peças de teatro e o especial do Renato Aragão, e estou adorando trabalhar com ele agora de novo", diz Bia Seidl.

Maria Rosa (Fernanda Paes Leme) – Filha de Norberto (Leopoldo Pacheco) e Aurora (Bia Seidl), é bonita e culta, formada em Economia no Rio de Janeiro. Ajuda o pai na administração da fazenda e também na política, além de defendê-lo das queixas da mãe. Coleciona admiradores e Geraldo (Lucci Ferreira) é o mais dedicado deles. "Maria Rosa é muito boa e querida, mas as meninas da cidade sentem inveja por ela ter estudado na cidade grande", explica Fernanda Paes Leme.

Geraldo (Lucci Ferreira) – Único herdeiro de um grande fazendeiro da região, nunca se interessou por estudos ou trabalho. Passa o tempo jogando sinuca com o Padre Bento (Carlos Vereza), sem se preocupar com os negócios do pai. Até porque, para isso, tem empregados e o primo Isidoro (Jackson Costa). Apaixonado por Maria Rosa (Fernanda Paes Leme), se vê obrigado a mudar com a chegada de dois concorrentes ao coração da moça: Otávio (Guilherme Winter) e Ricardo (Guilherme Berenguer). "Eu gostava muito de jogar sinuca com os amigos, mas nunca fui um craque. Por isso, estou fazendo aulas", comenta Lucci Ferreira.

Efigênia (Luciana Barbosa) – Empregada do prefeito. "A personagem vai trabalhar na casa do prefeito e estou muito empolgada com o papel. Já atuei em uma novela de época, mas com a temática rural é a primeira vez", diz Luciana Barbosa.

Aristides (Gilberto Miranda) – Funcionário da prefeitura de Paraíso. "Assessor direto do prefeito, o Aristides está o tempo todo ao lado dele, ajudando nas decisões e reuniões da prefeitura. O personagem tem um lado cômico muito legal", comenta Gilberto Miranda.

A rádio Voz do Paraíso

Otávio Barbosa (Guilherme Winter) – Carioca, é dinâmico e idealista. Gosta das coisas boas da vida e, enquanto fazia faculdade, dividia seu tempo com o surfe e o parapente. Ele e seu fiel amigo e escudeiro Ricardo (Guilherme Berenguer) só se deram conta de que deveriam ter levado a vida mais a sério quando se formaram e não encontraram emprego. É quando decidem partir em busca de oportunidades em Paraíso. "O meu personagem e o do Guilherme Berenguer são dois amigos que vão para o interior em busca de trabalho. Um é a família do outro, e eles só tomam decisões juntos. É um pacto. Por terem uma formação universitária, eles acham que vão ‘bombar’ em Paraíso, mas, quando chegam, a população acha que são uns picaretas", adianta Guilherme Winter.

Ricardo (Guilherme Berenguer) – Publicitário e grande amigo de Otávio (Guilherme Winter), com quem divide apartamento, momentos de diversão e sonhos. Sem emprego no Rio de Janeiro, acredita que devem buscar trabalho em um mercado menos concorrido. Assim vão parar em Paraíso. É lá que sua vida profissional deslancha e seu coração, conquistado por Aninha (Juliana Boller), também. "Ricardo é um publicitário que pensa que terá menos concorrência em uma cidade do interior e faz o caminho inverso do da maioria das pessoas. Acho que ele soube criar e aproveitar as oportunidades", explica Guilherme Berenguer.

Marcos (João Sabiá) – Piloto de helicóptero e engenheiro rico, vai para Paraíso contratado por Otávio (Guilherme Winter) e Ricardo (Guilherme Berenguer) para erguer a torre da estação de rádio e, logo que chega, vira uma atração. Aparece montado em uma "joça barulhenta", como é conhecido seu helicóptero, e atrai os olhares das meninas do interior, principalmente de Jacira (Caroline Abras) e Edith (Paula Barbosa). "Para me preparar, conversei com um amigo que é piloto de helicóptero e busquei referências da primeira versão da novela", diz João Sabiá.

Falconi (ator ainda não escalado) – Engenheiro amigo de Marcos (João Sabiá) que, apesar de não ter tanto dinheiro quanto o amigo, montará com ele um aeroclube em Paraíso.

A pensão

Dona Ida (Walderez de Barros) – A avó de Aninha (Juliana Boller) pode dizer que comeu o pão que o diabo amassou. Ficou viúva cedo, com uma filha para criar. Abriu a pensão que leva seu nome e foi tocando a vida sem descanso. A filha e o genro morreram em um acidente e a pequena Ana ficou com ela. Novamente, se viu sozinha e com uma criança para criar. Coruja, é apaixonada pela neta que, além de não dar trabalho, ainda ajuda na pensão. "Ela é uma avó dedicada, ficou viúva muito cedo e criou a filha sozinha. Anos mais tarde, se vê novamente na mesma situação. Esse histórico do personagem mostra que ela é uma mulher forte, corajosa e muito amorosa também. O que fez com a filha, repete com a neta", conta Walderez de Barros.

Aninha (Juliana Boller) – Neta de d. Ida (Walderez de Barros), ficou órfã aos três anos de idade e foi criada pela avó. Obediente, tem o temperamento tranqüilo e sonhador. Como toda menina de sua idade, pensa em encontrar seu príncipe encantado e ali, em Paraíso, isso não é tarefa fácil. Isso até Ricardo (Guilherme Berenguer) e Otávio (Guilherme Winter) chegarem à cidade. "Apesar de ter nascido e sido criada em Petrópolis, uma cidade pequena na região serrana do Rio de Janeiro, é complicado fazer uma personagem interiorana, com sotaque. Por isso, pesquisei sobre a cultura mato-grossense e estou fazendo aulas com uma preparadora de elenco", comenta Juliana Boller.

Das Dores (Lidi Lisboa) – Trabalha na pensão de d. Ida (Walderez de Barros), apesar do pequeno salário. No trabalho, acompanha o ir e vir dos visitantes e chama atenção por sua beleza. Entre seus admiradores está Tobi (Alexandre Rodrigues). "Por causa da abertura da rádio, a pensão da D. Ida precisa de mais pessoas para ajudar e a Das Dores, de origem humilde, vai trabalhar na pensão. Estou muito ansiosa, é um papel muito gostoso", diz a atriz Lidi Lisboa.

As moças de Paraíso

Nena (Mareliz Rodrigues) – Moça esperta nascida em Paraíso, está sempre cercada das amigas Edith (Paula Barbosa), Jacira (Caroline Abras), Aninha (Juliana Boller), Cleusinha (Lucy Ramos) e Das Dores (Lidi Lisboa). Tem a língua afiada e não deixa passar nada do que acontece em Paraíso, em especial os bons partidos. "A Nena é a mais velha das amigas, então, é quem controla a ansiedade delas. Assim como as outras, está procurando um homem para casar e enlouquece quando vê os meninos da cidade grande. Juntas, são as pimentinhas da cidade e a integração delas é tão profunda que falam como se fossem uma só", explica Mareliz Rodrigues.

Edith (Paula Barbosa) – Assim como as demais moças da cidade, está esperando o grande amor de sua vida. "A Edith tem muito a ver comigo, apesar de ser uma menina do interior e ingênua. Ela é pura e está sempre metida em mexericos com as amigas ‘mosqueteiras’", conta Paula Barbosa.

Jacira (Caroline Abras) – Sonhadora, vive idealizando seu príncipe encantado. E para encontrá-lo não mede esforços. Por causa de sua ansiedade, o que poderia ser uma linda história de amor acaba em tragédia. "A Jacira é uma personagem sensacional, me apaixonei por ela. A amizade das cinco meninas é algo muito próximo da nossa realidade, crescemos juntas das amigas e acabamos pegando o jeito umas das outras. Há uma intimidade e um entendimento entre elas e entre nós", diz Caroline Abras.

Cleusinha (Lucy Ramos) – Nascida e criada em Paraíso, está sempre atenta ao que acontece na cidade. Embora tenha fama de fofoqueira, na maioria das vezes não quer fazer intriga, apenas comentários. Como as amigas, também busca sua cara metade. "Ela é uma menina da roça, jovem, com um frescor e que sonha em ter um marido. E, como ela não tem o que fazer, fica falando da vida dos outros", fala Lucy Ramos.

No Bar do Bertoni

Seu Bertoni (Kadu Moliterno) – Filho de Nono (José Augusto Branco), quando pequeno veio da Itália com a família, que buscava trabalho nas lavouras de café. Com três irmãos mais velhos na lida, conseguiram fazer um "pé de meia" para financiar o próprio negócio. Abriram um armazém em Paraíso e lá foi morar com o pai, pois os irmãos seguiram outros caminhos. Dedicou-se ao armazém e ao pai viúvo e esqueceu de tocar sua vida. Solteiro e solitário, não quer saber de se apaixonar, até a chegada da exuberante Zuleika (Cristiana Oliveira). "O Bar do Bertoni é por onde passam todas as fofocas e confissões da cidade. Bertoni é italiano que fala com sotaque, e isso é um resgate da minha identidade de filho de italiano. É uma honra participar desta adaptação de ‘Paraíso’, estou muito feliz", conta o ator Kadu Moliterno que, na obra exibida em 1982 interpretou Zeca, o "filho do diabo".

Nono (José Augusto Branco) – Pai de Bertoni (Kadu Moliterno), é um italiano bonachão, viúvo e beberrão. Adora contar histórias e relembrar velhas canções italianas no bar do filho. Fica encantado quando se depara com Zuleika (Cristiana Oliveira) fazendo compras no armazém e acredita que está na hora de se apaixonar novamente. "O personagem fala com sotaque italiano, é maravilhoso. Já conversei com a preparadora de elenco Íris Gomes, para me dedicar às aulas", revela José Augusto Branco.

Zuleika (Cristiana Oliveira) – Muda-se para Paraíso disposta a mudar de vida e montar seu próprio negócio, uma sorveteria. Para dar início ao empreendimento, aluga a casa de Bertoni (Kadu Moliterno). "A Zuleika vai trazer alegria à cidade e levar um pouco da cidade grande para as meninas mais jovens. É solteirona, alto-astral, guerreira e corre atrás do que quer", comemora Cristiana Oliveira.

Dudu (Paulo de Almeida) – Empregado no bar do Bertoni. "Por trás das broncas dadas pelo Bertoni, o Dudu se revela um personagem muito engraçado. Trabalhando atrás do balcão, ele procura ouvir todas as conversas para saber o que está rolando na cidade e poder fazer fofoca. E fofoca errada ainda!", conta Paulo de Almeida.

Outros moradores de Paraíso

Padre Bento (Carlos Vereza) – É uma figura lendária. Pároco, confessor, conselheiro e, nas horas vagas, jogador de sinuca. Todo o dinheiro que consegue no jogo usa para tocar obras da igreja. Talvez por isso não sente remorso algum em passar o dia no Bar do Bertoni (Kadu Moliterno). Algumas beatas o criticam, mas ele sabe driblar a situação, exceto com Mariana (Cassia Kiss), que o faz pagar todos os seus pecados. "Conheço bastante de teologia e isso me ajuda. O Padre Bento tem também uma visão crítica do devastamento da Amazônia, acha que não vai restar nada da floresta em alguns anos" diz Carlos Vereza.

Isidoro (Jackson Costa) – É um homem tímido e honesto. Primo de Geraldo (Lucci Ferreira), é quem cuida da fazenda e dos negócios enquanto o parente se diverte. E ainda o aconselha na vida pessoal. "O Isidoro é uma figura legal, uma espécie de conselheiro do primo rico que não dá conta de cuidar sozinho da fazenda e nem de sua vida. Então, ele cuida do primo e o aconselha tanto na vida profissional quanto na pessoal. Além disso, guarda o segredo de ser um grande violeiro", revela o ator Jackson Costa.

Vadinho (Claudio Galvan) – "Seu Vadinho" é o farmacêutico de Paraíso. Formado, conceituado e respeitado, é no seu estabelecimento que a população local trata de todas suas mazelas. Incluindo mal de amor. É também um grande opositor do prefeito Norberto (Leopoldo Pacheco). "Para me preparar, fiz pesquisas na internet, procurei filmes que se aproximassem do personagem e observei imagens de políticos atuais", conta Claudio Galvan.

Alfredo Modesto (Genezio de Barros) – Jornalista aposentado, tem vasta experiência de vida e um modo peculiar de enxergar o que se passa no mundo e na política do Brasil. "O personagem é um jornalista de Paraíso, muito influenciado pela cultura francesa", diz Genezio de Barros.

Zé do Correio (Cosme dos Santos) – É o responsável pela distribuição dos jornais que chegam todos os dias, vindos de outras cidades. Antes de entregar os diários, lê as notícias e põe seus comentários pessoais. Funcionário público honesto, não tem papas na língua e fala o que pensa. Na maioria das vezes, fala demais. "Na primeira versão de ‘Paraíso’, fiz o Tobi e agora sou o Zé do Correio. Ele recebe as correspondências e repassa para a cidade, além de ser o primeiro a ler as notícias. Como possui algumas informações importantes, age de acordo com seus interesses, contando as notícias que lhe interessam e usando-as como forma de barganha", explica Cosme dos Santos.

Capita (Gésio Amadeu) – Motorista do único táxi da cidade e grande contador de causos. "Já fiz muitas novelas do Benedito Ruy Barbosa, me considero um ator ‘beneditiano’. Temos uma ligação muito forte", afirma Gésio Amadeu.

Pedro do Posto (Hugo Gross) – Comanda o único posto de gasolina da cidade. "O Pedro do Posto está com o Zé do Correio nas suas tramoias. Para que o personagem tenha uma aparência rural, deixei a barba crescer. Essa é uma novela que promete, pelas suas belas imagens e pela direção do Papinha", diz Hugo Gross.

Zé das Mortes (Aramis Trindade) – Matador que procura Eleutério em busca do diabinho da garrafa. "O personagem é um matador baiano e. como sou pernambucano, navego nessa praia. Os "causos" são as entranhas, a alma do Brasil, caipira, caboclo, sertanejo, brasileiro, só muda o sotaque desta praia rural", diz Aramis Trindade.

Tião (Jorge Lucas) – Caboclo da fazenda. "O Tião é um peão de meia-idade e tem um estilo bonachão. Como sou muito urbano, é uma experiência muito legal me transportar para o universo rural, pois tenho uma ligação forte com a terra", diz o ator Jorge Lucas.

Nesta segunda-feira, dia 16 estreia na TV Globo a nova novela das 18h, ‘Paraíso’, de Benedito Ruy Barbosa, com adaptação de Edmara Barbosa e colaboração de Edilene Barbosa.





DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here