Zeze Motta / Reprodução: Instagram

“Eu nunca escondi a idade”, disse a atriz Zezé Motta em postagem nas suas redes Sociais. Dessa vez, Zezé Motta publicou a capa da revista em seu Instagram, onde aparece nua e feliz.

Aos 75 anos de idade, Zezé posou nua para a capa da revista Ela, do jornal ‘O Globo’. A divulgação foi realizada nesse último domingo (14).

Além da capa, que já chama a atenção, a atriz falou sobre outros assuntos, como maturidade e reflexões de sua experiência de vida.

View this post on Instagram

Eu nunca escondi a idade. Nada contra aos que mentem e invernam… Estou achando legal ter 75… Quer dizer, se a gente pudesse escolher, não passaria dos 30, né? Mas existem algumas vantagens… Cada capa que chega, como essa, não me deixa esquecer tanta luta batalhada – e que infelizmente ainda batalhamos -, para o espaço do negro na mídia. Essa capa como tantas outras não é minha mas, dedico para cada um de vocês que ainda não conseguiram seu espaço. Em 1976 depois de um ensaio fotográfico que fiz (me achando linda!) e após ter passado no teste para o Xica da Silva, eu estava certa de que teria a minha primeira capa, logo uma revista muito famosa na época publicou o seguinte “A atriz que passou no teste é FEIA, porém exuberante…”. Aquilo me destruiu por alguns dias, mas me deu força, muito mais força, para batalhar ainda mais para mudar essa história de que o padrão estético em um país como o Brasil que quase não existem pessoas brancas, ter como padrão estético o europeu. As coisas mudaram! Já escrevi bastante… Nas bancas! Axé e muito obrigada a toda equipe da @elaoglobo. Obrigada @maricaruso @viniciusbelo e @mdisitzer. Todo o meu axé, Zezé. 💋 #Repost @elaoglobo ・・・ Com vocês, Zezé Motta. Aos 75 anos, a atriz está a pleno vapor com shows pelo Brasil, canal no Youtube, séries e novelas. “Tive a crise dos 30, dos 40, dos 50 e dos 60 anos. Com 70, cansei, achei que era palhaçada. Na juventude a gente sofre mais, é muita ansiedade, dúvidas e cobranças. Na velhice, o que incomoda é a solidão. No momento, vivo sozinha, mas estou na pista", conta à nossa repórter @mdisitzer. (Fotos: @thaisvandanezi | Styling: @castanheiras | Edição de moda: @patriciatremblais | Beleza: @gabrielramos6 | Produção de moda: caio_nietzsche | Assistência de produção de moda: @evaboustani | Assistência de fotografia: @mmarcolino | Assistência de beleza: @giulia.cahu | Produção executiva: @martinsmatheus) #zezemotta

A post shared by Z E Z E M O T T A (@zezemotta) on

Crise dos 30? 40? 50?

“Tive a crise dos 30, dos 40, dos 50 e dos 60 anos. Com 70, cansei, achei que era palhaçada. Na juventude a gente sofre mais, é muita ansiedade, dúvidas e cobranças. Na velhice, o que incomoda é a solidão. No momento, vivo sozinha, mas estou na pista”, afirmou ela, em tom de sabedoria.

Zezé Motta também postou que está ‘curtindo ser uma setentona’: “Eu nunca escondi a idade. Nada contra aos que mentem e invernam… Estou achando legal ter 75… Quer dizer, se a gente pudesse escolher, não passaria dos 30, né? Mas existem algumas vantagens”, respondeu, otimista.

Reflexões de uma vida

A atriz refletiu sobre cada uma das lutas que batalhou ao longo de sua carreira artística para chegar onde queria. E além disso, dedicou conquistas a fãs e ao público em geral: “Essa capa, como tantas outras, não é minha, mas dedico para cada um de vocês que ainda não conseguiram seu espaço. Em 1976, depois de um ensaio fotográfico que fiz (me achando linda!) e após ter passado no teste para o Xica da Silva, eu estava certa de que teria a minha primeira capa, logo uma revista muito famosa na época publicou o seguinte ‘A atriz que passou no teste é FEIA, porém exuberante..'” lembrou-se dessa passagem.

E as fotos para a nova revista?

Zezé Motta recorda que, ao ler a chamada da revista, na ocasião, não se sentiu muito bem, mas enfrentou como parece ser de seu costume: “Aquilo me destruiu por alguns dias, mas me deu força, muito mais força, para batalhar ainda mais para mudar essa história de que o padrão estético em um país como o Brasil que quase não existem pessoas brancas, ter como padrão estético o europeu. As coisas mudaram!”, concluiu.

Veja também: 



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here