Dando seqüência à série que retrata a contribuição dos japoneses e seus descendentes na introdução de tecnologias que mudaram o perfil da agricultura brasileira, o Globo Rural deste domingo, dia 08, chega ao norte do Paraná, região que concentra a maior parcela da população japonesa que vive no Estado.

A repórter Ana Dalla Pria foi até o município de Mauá da Serra conversar com a família Uemura. Na década de 1970, foram eles os responsáveis por disseminar uma importante técnica que até hoje é utilizada na produção de grãos: o plantio direto na palha, cujo princípio básico é não revolver a terra. Sementes de soja, milho e trigo são plantadas sobre a palha que sobrou da cultura anterior naquela área e não sobre a terra nua. Desse modo, evita-se a erosão, conservando a umidade e a fertilidade do solo.
O Globo Rural também mostrará que esse povo foi um dos responsáveis por oferecer alternativas à crise da cultura cafeeira do estado. Nos anos 70, as geadas, a queda no preço internacional e o aumento do custo da mão-de-obra tornaram inviáveis muitas plantações de café no Paraná. Na região, Ana conversou com o engenheiro agrônomo Jorge Watanabe, descendente de japoneses, que, juntamente com o governo do Estado da época, sistematizou a criação do bicho-da-seda em várias cidades. Ele buscou uma série de técnicas no Japão, estudando também as variedades das amoreiras, cujas folhas servem de alimento para as larvas.

Ainda na edição de domingo, o telespectador vai conhecer as uvas descobertas por japoneses: Kotaro Okuyama descobriu a uva Rubi, enquanto que Sadao Takakura, nascido no Brasil, foi responsável por encontrar uvas Benitaka e Brasil.

O Globo Rural vai ao ar aos domingos, logo após o Pequenas Empresas Grandes Negócios, e de segunda a sexta, após o Telecurso Ensino Fundamental.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here