Carla Diaz – Reprodução: Instagram

A atriz Carla Diaz, que irá dar a vida para Suzane Von Richthofen no filme ‘A Menina Que Matou os Pais’, que irá estrar no próximo dia 2 de abril, resolveu abrir o jogo para falar sobre a fatalidade, que ocorreu há 17 anos atrás;

Carla Diaz revela momentos tensos para viver Suzane Von Richthofen

Carla Diaz relembra que ficou chocada com o caso na época, onde a moça, junto do namorado e um comparsa, matou os próprios pais: ”É um caso que chocou o Brasil, me chocou também como mulher, como filha, como ser humano. É inimaginável um caso desses, me pergunto até hoje por quê. Porque ninguém entende por que alguém faz isso. Mas acho que a reflexão é exatamente essa: tentar saber o que passa na cabeça do ser humano, o que leva um ser humano a fazer isso e o que nós, como sociedade, podemos fazer para mudar, porque parricídios (ato de uma pessoa matar seu próprio pai) acontecem todos os dias, só que nem sempre a imprensa divulga’‘.

+ Carla Diaz muda visual após entrar para o elenco de novela da Globo; veja como ficou

A atriz também rebateu as críticas sobre a ‘romantização’ do crime da Suzane Von Richthofen: ”O caso da Suzane foi super divulgado porque ela estava fora dos padrões. Isso chamou a atenção do nosso país. Mas no mesmo dia que aconteceu o caso dela, aconteceram mais três parricídios em São Paulo. Infelizmente é uma história muito triste que vem se repetindo. E por que não ser contada?’.

Detonada, Carla Diaz se recusa a encontrar Suzane Von Richthofen na prisão

Carla Diaz acredita que é preciso, sim, ser debatido isso e conta que o filme é baseado nos laudos oficiais da polícia: “Por que não debater um assunto que é tão importante para uma sociedade? Importante no sentido de ser questionado. Por que acontecem casos assim? Acho que a arte está aí para debater qualquer tipo de assunto. Como entender? Como fazer alguém aceitar o inaceitável? O caso vai ser contado como ele foi. Apenas. A gente ligava a televisão e o assassinato estava lá. O caso foi muito repercutido, só que gerou também muita fake news. Quem conta um conto aumenta um ponto. E acho que isso acontece com todos os tipos de história, principalmente com as histórias que estão em alta, sendo discutidas. Mas os dois filmes abordam a história baseada nos autos do processo, com muitos detalhes que talvez as pessoas não conheçam”, afirmou.



3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here