Reynaldo Gianecchini (Globo/Victor Pollak)
Reynaldo Gianecchini (Globo/Victor Pollak)

Depois de levar um tiro em A Dona do Pedaço, Régis, interpretado por Reynaldo Gianecchini, já deu sinais de que realmente não quer mais participar das tramoias de Jô (Agatha Moreira) e se apaixonou de verdade por Maria da Paz (Juliana Paes). Se depender da torcida do ator enquanto telespectador, o casal tem chance de terminar junto. “Eu to vendo os capítulos que estão chegando e o Régis está muito legal, o objetivo dele é ajudar Maria da Paz agora e se redimir, se transformar mesmo, em todos os sentidos, ele quer ser um cara legal”, adiantou o ator em bate papo com o Área Vip. (Confira abaixo o vídeo com um trecho da entrevista).

Para Gianecchini é perfeitamente possível que o personagem passe por essa transformação. “Isso é muito bom, eu gosto dessas redenções assim, porque eu acho possível mesmo. Na vida, às vezes, é preciso acontecer alguma coisa muito trágica, um choque muito grande para que seja possível mudar. E no caso do Régis, a possibilidade da morte fez ele repensar tudo”, analisa o ator.

Eu agora já estou praticamente com dó do Regis. To achando ele o personagem mais bonzinho da novela”, se diverte. “Eu to com dó do Regis. No dia que ela (Maria da Paz)  deu um tiro nele era bem o dia que ele estava querendo cair fora, essas armadilhas do destino. As vezes, acontece. Eu tenho dó do Régis sim. Desde o início eu achava que a curva desse personagem era muito legal. Que é muito bacana essas novas possibilidades que a gente dá pras nossas vidas”, completa.

Nas redes sociais, Gianecchini se diverte com os comentários. “Na época que ele estava aprontando muito, as pessoas estavam com muita raiva. Eu sentia isso, era uma antipatia que quase estendia pro ator. Eu percebia  que as pessoas estavam bem bravas comigo, mas eu sempre acreditei que podia ter essa transformação, desde o começo eu estava esperando que o Régis em algum momento se transformasse,porque a Maria da Paz é muito cativante e o Walcyr (Carrasco) aproveitou essa chance de, através do meu personagem, falar das transformações possíveis na vida. Quando você tem bons exemplos, que tudo é possível mesmo. Então, eu fiquei feliz com essa transformação, eu meio que estava esperando. Tanto que eu nunca fiz um vilão das trevas. Desde o começo, ele dava sempre uma derrapada no caráter, mas eu sempre quis fazer dele um cara que fosse legal também. Ele não era aquele cara como a Jô, que olha através das pessoas. Já estava previsto essa virada”, lembra.

O ator acredita que o carisma de Juliana Paes ajudou na química do casal na ficção. “É muito fácil entender porque o Régis se apaixonou por ela. Porque o Brasil inteiro está apaixonado por ela. E não só porque  a Ju é linda e carismática, é que a personagem tem muito valor”, afirma. “Eu tenho muito prazer de trabalhar com a Ju. Eu acho que isso reflete na cena. A gente troca muito ideia, a gente acha sempre uma brincadeira, uma coisa pra por em cena que dê uma coisa gostosa do público assistir, acho que isso conta bastante”, afirmou ele, que ganhou torcida pelo casal nas redes sociais. “ O que vai ser, a gente não sabe. Tem muita gente torcendo por Régis e pra Maria da Paz, mas tem muita gente bravo, que ainda precisa ser conquistado, eu tenho que conquistar esse público a unha. O Regis pisou na bola durante muito tempo”, acredita.

A Dona do Pedaço - Regis e Maria da Paz (Globo/Victor Pollak)
A Dona do Pedaço – Regis e Maria da Paz (Globo/Victor Pollak)

O ator confessou que se diverte com a reação dos fãs nas redes sociais.  “Eu acho muito engraçado que, nas redes sociais, quem torce mesmo pelo Régis, pede quase desculpa né?  É quase como se fosse politicamente incorreto torcer pelos dois. Tem gente que fala: ‘não me julguem, mas eu gosto’. Mas acho que isso com o tempo vai se reverter, porque ele fica muito legal. Eu como ator, não defendo o meu personagem, mas como público eu torço pra ela ficar com o Régis”, contou ele, que tem torcida própria enquanto telespectador da trama de Walcyr Carrasco. “Eu acho muito lindo o amor dela pelo Amadeu (Marcos Palmeira) também. Eu acho muito  bom que o público fique dividido, eu torço pra isso, porque assim a novela fica muito interessante quando o jogo não está ganho por nenhum dos dois lados. O Amadeu tem que vir com tudo agora pra reconquistar e o Regis também, os dois tem que vir com tudo. Vamos ver quem ganha”, brinca.

Giannechini lembrou ainda sobre ter estreado e trabalhado na mesma novela que Juliana Paes, há 20 anos, em Laços de Família. “Não podia ser numa hora melhor, pensando bem, comparando com 20 anos atrás que a gente era dois moleques e imaturos para o trabalho. E é muito bom se reencontrar agora podendo jogar melhor em cena. A vida encaminha sempre pro melhor”.

Enquete A Dona do Pedaço: Com quem Maria da Paz deve ficar, Amadeu ou Régis?

Fase Blogueirinho

Com o sucesso na novela, Gianecchini já ganhou mais seguidores e se diverte falando desse lado blogueirinho. “Eu me surpreendi, eu nunca tive vontade ser blogueiro, eu uso a minha rede social para tudo que eu quero dividir com as pessoas, eu não uso pra ganhar dinheiro, coisa comercial. Posto tudo que acho legal dividir o meu olhar com as pessoas. O que aconteceu é que nessa novela realmente tem uma turma talentosa e muito legal, não tem estrelinha. E aí eu comecei a fazer brincadeiras e registrar, é muita coisa legal. Quando eu vi, eu não conseguia mais parar. E o engraçado que é muito espontâneo, meus vídeos não tem nenhuma edição e não existe muito preparo. As vezes é num intervalo de dois minutos. Tá sendo muito legal por isso também, é espontâneo”, conta ele, que ganhou mais um milhão de seguidores desde a estreia da novela.

Momento de Solidariedade

Recentemente, o ator conseguiu realizar um sonho com a inauguração do Centro de Apoio Reynaldo Gianecchini em Birigui, sua cidade natal. A instituição leva o nome em homenagem ao pai. “É um sonho meu que eu tenho há muitos anos, mas muito mesmo. Eu nunca conseguia porque envolve muita coisa, precisa de muito dinheiro, precisa de bastante gente idônea por trás pra você montar uma instituição porque é o seu nome que você está dando pra cuidar de tanta gente. Tava muito difícil de achar as parcerias certas. Isso, lá atrás, acho que tem uns dez anos que eu tenho essa ideia muito forte dentro de mim. Depois que eu estive doente, ali abriu um portal dentro de mim, eu recebi tanto amor. Ai eu pensei: ‘agora eu preciso retribuir’. Passou a ser uma necessidade, eu vou ter que me empenhar mais. Aí, a sincronicidade trouxe as pessoas certas, eu comecei a entrar em contato com muita gente que tava pronta pra ajudar naquele momento. Mesmo assim eu comecei a construir com o meu dinheiro mesmo. Já faz seis anos que eu terminei o tratamento, e só ficou pronto agora. Foram muitas dificuldades e só agora está florindo. E acho que está no momento certo.  As parcerias estão aparecendo. É muito lindo você ver acontecendo. Assusta um pouco, na verdade. Toda vez que você vai lidar com projeto beneficente, eu sempre ouvi isso, cada luz que você acende, você tem que lidar com umas trevas também. Tem muita coisa que parece que tenta impedir. E é muito fácil da gente desistir. Mas quando você coloca em prática e vê essa energia de solidariedade movimentando é muito bonito. É quase uma missão”, acredita.

O foco da fundação é em criança e adolescente. “São cursos profissionalizantes, atividades culturais e esportiva. Mas quero que as pessoas entendam sobre solidariedade, sobre amor. Quero que as pessoas sintam lá dentro ajudadas e que queiram ajudar também. Quero que seja um centro de apoio no sentido mais amplo. Por exemplo, no interior, tem muita falta de informação,  as vezes. É um mundo muito distante das capitais. Então, eu queria que fosse um lugar que as pessoas pudessem bater na porta pra falar: ‘Tô precisando de ajuda’. As vezes as pessoas não conhecem os caminhos pra chegar em algum lugar. Orientação no geral. Mas eu também estou muito aberto pra entender as necessidades da região. Quero ser um ponto de aglutinação”.

Herdeiro

Apesar de tantas notícias que circulam sobre Gianecchini ter filhos, o ator é categórico: “As pessoas viram e mexem, insistem nessa tecla. Isso é notícia Fake News cem por cento, não existe nada de verdade. Saiu até com o nome da mãe. A menina entrou em contato com a minha assessoria e achou que eu tinha plantado a notícia. E eu achei que ela tinha plantado a notícia. Da onde sai essa coisa? A menina muito chateada, porque ela é casada. Enfim, essa falta de responsabilidade que está ai no Brasil”.

Os mascotes da casa

Os verdadeiros donos do coração de Giane são dos buldogues Mano e Mafalda. E essa família ainda pode aumentar. “Esse negócio de cachorro é uma cachaça. Eu já to querendo ter o terceiro, mas aí eles começam a fazer xixi no sofá e no tapete, aí eu falo: ‘vamos parar por aqui’. E destruir a casa inteira. Mas aí daqui a pouco eles aprendem. Aí você relaxa um pouco e pensa em pegar mais um. Agora eu quero adotar, eu adoro  vira-lata. O próximo eu quero adotar”, afirma.

Confira o vídeo com um trecho da entrevista:

Veja também:

Invasão? Reynaldo Gianecchini expõe intimidade de Juliana Paes



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here