Tonico Pereira – Reprodução/Globo

Contratado da Globo há décadas, o ator Tonico Pereira é certamente um dos mais antigos a ter o privilegio de manter um vínculo permanente com a emissora carioca, a mesma na qual adotou a prática de dispensar grande parte das estrelas após a conclusão de trabalhos.

+ Tonico Pereira revela novas dificuldades com problema de saúde

Aos 71 anos, ele compartilha que no passado já chegou a se envolver no tráfico de drogas como forma de sobrevivência, servindo de famoso “aviãozinho”. O termo, por sua vez, é utilizado para as pessoas que levam ao comprador e retornam com o dinheiro em mãos para repassar ao vendedor.

+ Malvino Salvador é mais um ator a não renovar contrato com a Globo

Em entrevista concedida à jornalista e colunista Patrícia Kogut, do jornal O Globo, ele compartilhou dos maiores detalhes acerca da polêmica de contrabando. “Sempre tive negócios. É uma coisa que vem comigo desde cedo. A atuação era para ser só um complemento. Acontece que nunca consegui ganhar dinheiro com nenhum dele. O único negócio na minha vida em que ganhei dinheiro foi quando trabalhei como aviãozinho para o contrabando, na adolescência”, confessou.

Atuante na Platinada desde a década de 1970, ele hoje é dono de um brechó, um centro de fisioterapia, além de comprar um táxi e está em processo de montagem de uma loja de joias com um amigo. Afastado das telinhas desde o ano passado, quando esteve em ‘A Dona do Pedaço’, Tonico afirma que sempre quis ser diversificado com relação a sua atuação profissional, e que tem medo de, um dia, ficar desempregado ou sem oportunidade de trabalho.

“Estou o tempo todo buscando alternativas, mesmo que elas não deem certo. A minha mulher [Marina Salomão] fica apreensiva com essas minhas iniciativas, mas ela me conhece, sabe que preciso disso. Felizmente, mesmo tendo feito coisas erradas, não estou devendo dinheiro”, destacou.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here