Cleo/Instagram
Cleo/Instagram

Cleo gerou polêmica nos últimos meses pelo fato de ter surgido num padrão ‘fora’ do que ela costumava aparecer. Sempre bem decidida e aberta aos mais variados assuntos, a atriz e cantora, no entanto, foi mal recepcionada por uma enxurrada de críticas na web.

 + Mayra Cardi comenta peso de Cleo: “Se está assim, é por escolha”

Em entrevista concedida ao jornalista Leo Dias, do portal UOL, a filha de Gloria Pires comentou sobre as mudanças físicas provocadas pela compulsão alimentar e alega que decidiu optar por não procurar mais ajuda. Em meio as revelações, ela explicou detalhes de como tudo ocorreu.

+ Cleo é vítima de ataque virtual e perfil do Instagram é hackeado

“Eu entendo há muito tempo o que é a compulsão e via que eu estava ali perto. Me identificava com aquilo. Mas nunca fui a fundo nisso e acho que neste ano eu realmente vi que tinha essa questão: compulsão com a comida. Você está feliz e quer comemorar. Tristeza, alegria, ansiedade, depressão”, inicia.

+ Antonia Morais revela sobre apoio da família diante de polêmica do aumento de peso da irmã, Cleo

“Não é que é uma desculpa, mas é para onde meu organismo vai. Descobri que tinha muitos gatilhos e que eu acabava indo para um lugar de descontrole total, em forma de autopunição. Não é saudável. Dava prazer, mas não era saudável. Amo comer, mas, quando você perde o controle e aquilo vira um foco, fica doentio e problemático”, justifica a artista, que entrega já ter se submetido aos conhecidos procedimentos de magreza, formados por dietas rigorosas e uso de remédios.

+ Gretchen se solidariza com Cleo após críticas sobre seu corpo: “Sinto a dor dela”

“Eu fazia muita dieta maluca e tomava remédio. Tirava compulsão da comida e, às vezes, conseguia colocá-la em exercício e em querer ficar magra. A compulsão para comida foi para esses outros lugares, mas eles não duram. E é tudo doentio. Você pode estar magra, mas a sua cabeça é doente ainda. Não quero que seja uma coisa pesada, mas é uma questão séria”, dispara.

Questionada sobre possível terapia perante a compulsão, ela nega: “Não fiz terapia para a compulsão. Tenho vontade de fazer hipnose. Mas eu tenho melhorado muito. Hoje em dia não tenho vergonha de pedir ajuda. Eu era muito autoafirmativa e me defendia, mas tudo bem, fazia parte. Como mulher, às vezes, você tem que fazer isso para se impor. Mas chegou um momento da minha vida em que eu tive mesmo que pedir ajuda. E eu tenho ajuda. Tenho uma equipe incrível em casa e no trabalho”, garante.



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here