quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Últimas

Hoje no Brasil: Enquanto crescem o número de mortes por Covid-19, cientistas pesquisam a eficácia da vacina de pólio contra a doença

-

Núcia Ferreirahttps://www.areavip.com.br/
Jornalista carioca com passagens pelas revistas Conta Mais, TV Brasil e TV Novelas. No site Área VIP, além de redatora, é repórter especialista em Celebridades, TV e Novelas.

Comente

Veja também

- Continua após o Banner -

Cresce casos da Covid-19 e vacina contra pólio é esperança – Montagem Área Vip

- Continua após o anúncio -

O Ministério da Saúde divulgou nesta sexta-feira um novo balanço dos números da pandemia do novo coronavírus. no país. De acordo com levantamento diário feito pela pasta, o Brasil tem 828.810 casos confirmados da doença, e 41.828 mortes foram registradas. Os casos recuperados somam 365.063.

Nas últimas 24 horas, o ministério registrou mais 25.982 casos da doença e 909 novas mortes. De acordo com o Ministério da Saúde, 412.919 casos estão em acompanhamento e 4.033 óbitos em investigação.

Eduardo Costa faz teste de coronavírus durante sua live

- Continua após o anúncio -

Entre a unidades da federação com o maior número de casos acumulados desde o início da pandemia,  o estado de São Paulo registrou 167,9 mil casos confirmados e 10.368 óbitos. Rio de Janeiro aparece na segunda posição com 77.784 e 7.417 mortes. Em seguida estão Ceará (75.705 casos e 4.788  mortes) e Pará (66.328 casos e 4.132 mortes).

Fonte Agência Brasil

- Continua após o anúncio -

As gotinha contra pólio podem ajudar contra o novo coronavírus – Agência Brasil/Marcelo Camargo

Vacina contra pólio e esperança no combate a Covid-19 

A espera de uma vacina eficaz contra o novo coronavírus, cientistas do mundo todo estudam a possibilidade de usar recursos já existentes no mercado para auxiliar de alguma maneira no tratamento e prevenção da Covid-19.

O mais recente exemplo disso é um estudo publicado na revista científica Science que defende o uso da vacina de gotinha da pólio contra a Covid-19. De acordo com os pesquisadores do Instituto de Virologia Humana da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, a vacina oral contra o poliovírus poderia dar uma resposta imunológica geral que seria capaz de ajudar o corpo a combater os invasores, evitando assim, uma variedade de infecções, incluindo as respiratórias.

Hoje no Brasil: Números de mortes por Covid-19 crescem, enquanto capitais do Rio e São Paulo relaxam isolamento e João Dória anuncia no quarentena no estado

No entanto, esse poder protetor não seria permanente, mas sim temporário. Isso, segundo os autores do estudo, já ajudaria a ganhar tempo até que um imunizante contra o novo coronavírus chegue ao mercado. Se de fato as gotinhas contra pólio têm mesmo esse poder contra o coronavírus ainda não se pode afirmar, e é por isso que os pesquisadores pedem que sejam realizados testes clínicos para testar essa hipótese.

A evidência mais forte até agora sobre o poder de vacinas para doenças específicas contra outros vírus é de um estudo controlado de três anos realizado na Rússia, na década de 1960. Foi quando os pesquisadores concluíram que administrar doses do imunizante oral contra o poliovírus reduziu em três vezes as mortes por influenza sazonal e doenças respiratórias agudas em adultos.

Apesar de ainda não estar clara a eficácia da vacina oral conta pólio na prevenção do coronavírus, a possibilidade do uso dela tem sido considerada no mundo todo. Aqui no Brasil, pesquisadores da equipe do Hospital Professor Polydoro Ernani de São Thiago, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) pretendem testá-la.

Hoje no Brasil: Novos números da Covid-19,  São Paulo vai produzir vacina contra a doença e Corpus Christi sem tapete de sal no Rio

Em entrevista à Agência Brasil, o coordenador da pesquisa, Edison Fedrizzi, explicou que como essa não é uma vacina contra o coronavírus, o corpo não irá produzir anticorpos contra ele, mas, sim, estimular uma primeira etapa de defesa do organismo. “O que queremos é fazer uma barreira protetora, inicial, para que o indivíduo não desenvolva a infecção, caso entre em contato com o vírus. Pensamos que poderíamos, também através desse estímulo de defesa, diminuir a gravidade da doença”, afirmou.

Para avaliar se o método é eficaz, o grupo de pesquisadores da UFSC pretende selecionar 300 voluntários, todos trabalhadores da área da saúde, grupo mais exposto à Covid-19. Metade deles irá receber a vacina oral de poliomielite (VOP) e a outra metade receberá placebo

D acordo com o pesquisador, como vacina emergencial, foram consideradas outras duas opções: a BCG, que protege contra tuberculose, e a de sarampo. Ambas também já estão sendo testadas por cientistas. “Todas têm como característica o microorganismo vivo, mas atenuado. Esses tipos de vacina provocam uma resposta imunológica, essa que nós queremos estimular, a inata, muito grande, importante, diferente de outras vacinas, em que temos apenas a proteína ou o microorganismo morto, como a de hepatite, a do HPV”, esclareceu Fedrizzi.

Fonte: Agência Brasil

- Continua após o anúncio -

+ Novidade: Área VIP no Telegram – Clique Aqui e fique por dentro!

E tem muito mais para você: Baixe o app Área VIP – TV e Famosos ou siga o Área VIP no Google Notícias e receba as informações mais quentes do entretenimento com tudo o que acontece no mundo da TV e dos FamososClique Aqui!

Núcia Ferreirahttps://www.areavip.com.br/
Jornalista carioca com passagens pelas revistas Conta Mais, TV Brasil e TV Novelas. No site Área VIP, além de redatora, é repórter especialista em Celebridades, TV e Novelas.

Últimas TV & Famosos