Juliano Laham – Reprodução/Globo

Juliano Laham se tornou conhecido nacionalmente após ter entrado numa participação especial no ‘BBB16’ e ter conquistado o coração do público. De lá pra cá, ele atuou na Globo, e viveu um personagem gay na novela ‘Orgulho e Paixão’, exibida no ano passado, no canal carioca.

Intérprete do personagem Luccino Pricceli, em entrevista concedida ao site da revista Quem, o ator revelou que foi vítima de boicote e preconceito, e na época chegou a perder em torno de 300 mil seguidores enquanto atuou no folhetim das seis – hoje soma quase 2,5 milhões apenas no Instagram.

+ Famoso cantor de 20 anos revela pesadelo após descoberta de homossexualidade

“Comparando com os dias de hoje perdi muitos seguidores, mais de 300 mil pessoas. Isso pra mim não muda nada, não importa. O importante é a pessoa ter respeito. Se a pessoa tem preconceitos, quero que ela pegue o preconceito dela e vá para outro lugar. É bem melhor que não esteja me seguindo”, declara Laham, que entrega ter sido bem recepcionado pelo público, e manifesta sua felicidade diante do impacto que causou na vida das pessoas por meio do personagem na obra assinada por Marcos Bernstein.

+ Phellipe Haagensen quebra o silêncio após expulsão de ‘A Fazenda 11’

“É o que eu falo: quando faço um personagem, não faço só para mim, faço para quem está assistindo em casa. Recebi muitas mensagens de tias, avós, de pessoas agradecendo por ajudá-las a entender. Então isso para mim não tem preço, não tem dinheiro que pague você poder ajudar uma pessoa num momento tão difícil e em um momento em que ainda existe tanto preconceito. O que é um saco, convenhamos, né? Acho que as pessoas tem que amar a si mesmo e respeitar o próximo”, dispara.

+ Maisa Silva fica intimidada com Gracyanne Barbosa e toma atitude após receber alerta

Para ele, o fato de você se tornar uma celebridade, o faz ter total obrigação em se posicionar acerca de assuntos dos quais se tem conhecimento e manifestar uma opinião, seja nas redes sociais ou não. “Eu não gosto de falar sobre política, mas na minha visão quem está governando tem que governar para todos, e não só para uma minoria ou para um grupo muito específico de pessoas, entende?”, explica.



1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here