Nando Cunha - Reprodução/SBT
Nando Cunha – Reprodução/SBT

É, nem tudo é um mar de flores nos bastidores dos canais, e quando se trata de novela, que a correria é ainda mais intensa, nem se fala. Engana-se quem acha que no SBT, apesar de ter ‘As Aventuras de Poliana’ como uma única novela inédita no ar, a emissora não passa por polêmicas por trás das câmeras. Nando Cunha, que integra no time adulto de atores do folhetim, deixa o elenco nos próximos dias, e criticou os textos da obra.

Em entrevista concedida ao site Notícias da TV, para ele, a história estrelada por Sophia Valverde carece de representatividade, e possuem textos semelhantes as ideologias do atual Presidente e amigo de Silvio Santos, Jair Bolsonaro. “Falta um arco dramático maior, aprofundar os personagens, as tramas… Fazer um gancho de um capítulo para outro”, analisa.

+ Silvio Santos dispara sobre o Brasil em entrevista com Jair Bolsonaro: “Piada”

Ele, que já possui uma grande passagem pelas produções da Globo, afirma que já chegou a ouvir lamentações do próprio público. “As pessoas que me paravam na rua comentavam: ‘Ah, a novela está chata, a novela enjoou’… Não tem um gancho, uma trama para acompanhar, sabe?”, lamenta. Nando acredita que, por ser uma obra voltada para o público infantojuvenil, a autora, Íris Abravanel, esquece de focar no núcleo adulto do enredo, o que torna o ritmo exaustivo.

“Novela é novela, mas às vezes fica muito em cima das crianças. Os personagens principais são elas”, critica ele, que destaca que há textos com semelhanças a opinião conservadora do polêmico e atual político à frente do Governo Federal. “Eu vejo um texto extremamente de direita. Eles querem passar a história de uma família conservadora tradicional brasileira e coisas dessa nova onda, e não mostram a diversidade”, observa.

Carreira nas telinhas

Aos 52 anos de vida, Nando estreou em 1998 nas telinhas, mas só ganhou reconhecimento apenas em 2007, quando atuou na novela ‘Desejo Proibido’. Em 2010, viveu o ator e humorista Grande Otelo, na microssérie ‘Dalva e Herivelto: Uma Canção de Amor’. Em 2012, ele caiu nas graças do público ao viver o Pescoço em ‘Salve Jorge’, marido de Solange Badim e padrasto de Bruna Marquezine, que lhe concedeu a indicação de ‘Melhor Ator Coadjuvante’ no tradicional Prêmio Extra de Televisão.

No ano seguinte, assinou com o SBT, onde integrou no elenco do remake de ‘Chiquititas’, onde realizou uma pequena participação especial. Seu trabalho mais recente dentro da Globo ocorreu na fracassada ‘Geração Brasil’.

Veja também:

Marcos Mion desabafa sobre preconceito com filho autista: “Não aguentava mais”



16 COMENTÁRIOS

  1. Me parece que agora é errado ter uma família tradicional, ser branco, ser hétero…..
    Se não tiver "representatividade" é racismo, opressão, homofobia….
    Que saco esse negócio!
    Ainda bem que foi demitido.
    Agora vsi lacrar na casa do cacete.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here