Mariana Santos – Reprodução/Globo

Em entrevista concedida ao programa ‘Conversa com Bial’, na madrugada desta quarta-feira (16), Mariana Santos fez revelações acerca das suas crises de pânico e ansiedade, durante bate-papo revelador com Pedro Bial. A atriz revelou que as primeiras sensações foram descobertas ainda na infância, e que com o passar do tempo, foram agravando-se cada vez mais.

+ Hariany Almeida já havia terminado com o namorado antes de ida ao ‘BBB’

“Lembro do primeiro sintoma que algo não estava legal com 6 anos. Comecei a desenvolver pequenos medos e ansiedades. Vim pra São Paulo e o voo foi horrível, turbulento, horroroso. Me senti mal e estranha nesse voo. Depois só fui fazer outra viagem de avião com 30 anos”, confessa, revelando os meios no qual não costuma usar justamente pelo fato das crises.

+ Participação de Boninho em ‘A Dona do Pedaço’ provocou mudança nos bastidores da novela

“Metrô, ponte, elevador, estrada, qualquer coisa que tire você do seu controle. Você entra em um túnel, não pode sair dele, tem que ultrapassa-lo; uma ponte não tem uma esquina para você virar. Eu ia passando mal no metrô, ia tendo crises de ansiedade com minha mãe, andava sempre acompanhada”, relata. “Foi ficando cada vez pior. Toda vez que tem uma crise de pânico, a gente acha que todo mundo está te vendo, mas ninguém nota, está acontecendo dentro da gente”, emenda.

+ Aos 33 anos, famosa cantora descobre doença grave às expectativas de subir ao altar

A atriz, no ar em ‘Malhação – Toda Forma de Amar’, explica que, ao entrar em cena, seja na TV ou nos palcos, ela se renova, embora tivesse procurado ajuda de profissionais ao longo dos anos, desde quando era criança. “Tive acompanhamento terapêutico a partir dos 7, 8 anos, com psicóloga. Depois fui fazer terapia cognitiva e comportamental, com 30 e poucos anos, porque estava me boicotando muito. Eu arrumava desculpas para tudo, tudo o que você pode fazer para ficar em casa, você faz”, justifica.

“Cada crise de pânico são pequenas mortes. Teve alguns momentos que deprimi, [pensava] por que comigo? Mas pensava ‘amanhã vai ser melhor’, tinha uma positividade. Hoje em dia convivo bem com meu pânico, acho que não tem cura”, conclui Mariana, que acredita conseguir lidar bem diante das situações.

Veja também:

Mariana Santos faz desabafo sobre ansiedade: “Me senti um pouco triste”



1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here